Em 2016, o ex-quarterback Colin Kaepernick protestou contra toda a opressão que os negros sofrem nos Estados Unidos, principalmente com o fato da polícia ter matado homens negros desarmados. O protesto aconteceu durante o hino nacional antes de um dos jogos, quando Colin ajoelhou, enquanto todas as pessoas estavam de pé.

O jogador comentou sobre o protesto, explicando sua revolta. “Eu não vou levantar e mostrar orgulho para a bandeira de um país que oprime pessoas negras ou pessoas de cor. Para mim, isso é uma coisa maior que futebol e seria egoísta pensar de qualquer outro jeito. Temos corpos mortos nas ruas e criminosos saindo ilesos.” – havia dito para a NFL Media, no mesmo ano do ocorrido.

Essa atitude dele levou muitos telespectadores a interpretarem como desrespeito dele com a bandeira americana, seu serviço militar e ao presidente Donald Trump.

Nesse mês de setembro, a Nike lançou sua nova campanha “Believe in something. Even if it means sacrificing everything.” para o aniversário de 30 anos do “Just Do It” e chamou Colin Kaepernick como estrela.


E também o incrível vídeo da campanha:

Apesar de ser muito impactante, a campanha fez com que algumas das pessoas que não tinham aprovado o protesto do atleta (em 2016) se posicionassem contra a marca – incluindo posts de vídeos queimando tênis da Nike e dizendo que nunca mais comprariam nada relacionado à marca.

Com isso, a Nike providenciou uma resposta aos vídeos queimando os sapatos, mantendo sempre seu posicionamento forte e marcante, Junto com a agência Alma, realizaram uma paródia da campanha.

Você realmente vai queimar seus sapatos, quando temos tanta gente precisando?

Don’t burn it.
#JustDonateIt

eu queria saber voar