A Apple produziu uma campanha para o iPhone 11 que faz um registro de 5 horas, sem cortes, do museu Hermitage, em São Petesburgo na Rússia. Impressionante, né? O mais legal ainda é saber que tudo isso foi gravado com o iPhone 11.

Ou seja, na mesma sacada a Apple conseguiu vender o seu produto e o conceito da marca. Combinou a ideia de uma câmera potente com o conceito intelectual e fino da arte russa, assim como combinou a prova de uma bateria duradoura ( segundo o blog B9, o celular encerrou o vídeo com uma bateria de 19%) e amplo armazenamento com a sofisticação que toda a vasta galeria de um museu inteiro pode oferecer.

E digo mais: tudo foi gravado em um só take.

Ficou em choque, 1917?

É muito inteligente e criativa a forma como a Apple se comunica: você definitivamente não precisa assistir as 5 horas do vídeo pra entender a ideia de que a marca tem uma qualidade tecnológica elevada.

A peça foi dirigida pelo russo Axinya Gog e possui como extensa trilha sonora obras de 5 compositores (Anton Schwarz, MUJUICE, Katushiro Oguri, Gabriel Prokofiev, Kirill Richter)

Uma curiosidade interessante é que o filme Arca Russa (2002), conhecido principalmente pelo fato de ter sido gravado em um único take de 97 minutos possui como locação o Palácio de Inverno, um dos prédios do Hermitage.

O diretor Alexandr Sokurov planejou o projeto do Arca Russa por 15 anos, enquanto esperava pelo desenvolvimento da tecnologia necessária para a execução da obra, já que as câmeras pré-digitais não suportavam gravações muito extensas – e mesmo assim, precisou gravar o filme inteiro com um aparelho de 30 quilos preso à cintura. Mas o mundo mudou bastante de 2001 para 2020 e 5h19 são menos que 1h37. Digo, pelo menos em termos de armazenamento.

A série “Shot on iPhone” já é uma campanha bem popular da Apple, com várias produções fantásticas e surpreendentes, como a filmagem de um recife nas Maldivas, um curta sobre uma família no Ano Novo Chinês e outro curta sobre uma batalha de bolas de neve.

Será que essas novas tecnologias podem abrir portas para a produção de obras audiovisuais com smarthphones? Bom, isso você me conta daí do futuro.

Baiano, amigão da vizinhança, ecochato, escritor amador e mestre pokémon nas horas vagas.