A maioria dos filmes não tem diálogos realistas. Nem mesmo os aclamados. Mas isso faz parte da arte, é normal dramatizar os diálogos para torná-los mais interessantes, ou causar mais impacto ou o que seja. Diretores como Quentin Tarantino e Edgar Wright são aclamados pelos diálogos em seus filmes, mesmo que eles não sejam realistas. Afinal, a intenção não é essa nesses casos. O primeiro gosta de trazer humor em situações tensas nas quais ele não deveria existir. Enquanto o segundo gosta de criar bordões e até quebra regras ao continuar o mesmo diálogo em grandes intervalos de tempo. Além de também ser especialista em humor.

Outro especialista em humor é Noah Baumbach, mas a forma como ele aborda diálogo é completamente diferente. Apesar de também ser tão engraçado quanto Edgar ou Tarantino, seu diálogo é muito mais realista. Na verdade, é porque ele é realista que ele é tão engraçado assim. O melhor exemplo disso está no recente filme da Netflix: Os Meyerowitz (pelo qual Adam Sandler está sendo aclamado).

No filme, a família disfuncional se torna mais realista ainda por conta do diálogo, o que torna as situações absurdas mais engraçadas ainda – por serem tão reais. Mas como Noah faz isso? Retratando como nós realmente falamos, um em cima do outro, sobre assuntos diferentes ao mesmo tempo e coisas desse tipo. O Youtuber Nerdwriter analisou várias cenas do filme para exemplificar justamente isso, aprofundando-se também nos motivos de cada personagem estar falando do jeito que eles estão falando.

Atenção para spoilers.

O resultado que o diretor consegue alcançar com esse método é definitivamente impressionante. Mas não é em todo filme que isso daria certo, trata-se apenas de uma perspectiva diferente. Afinal, realismo não significa qualidade.

Viciado em Games, viciado em futebol, viciado em cinema, viciado em séries e viciado em drogas pesadas: leite, glúten e anime.