Uma grande dúvida que existe sobre a vida é: Existe algo a mais depois da morte? E se existisse, como realmente seria? Será que existe lado bom e lado mau? Você consegue imaginar como seria o céu de seus sonhos? É isso que a nova série da Netflix tenta mostrar.

The Good Place, trata-se do lugar bom que as pessoas que fizeram boas ações vão quando morrem. Uma vilinha gostosa e calma, elaborada, construída e sendo supervisionada pelo anjo Michael, onde todos têm suas casas que mais combinam com eles mesmos e são apresentados para a alma gêmea que não haviam conhecido nem na terra. Bizarro não?

Pois é, essa comédia com um enredo um tanto quanto diferente das comuns, conta sobre a ida da Eleanor Shellstrop (Kristen Bell) para o lugar bom, onde é recepcionada pelo anjo Michael (Ted Danson) que explica para ela onde ela está, mostra sua nova moradia e a apresenta para sua alma gêmea Chidi (William Jackson Harper). Parece tudo perfeito, não é? Porém, como em toda série, há sempre um principal problema que faz toda a história existir. Eleanor está no lugar errado, ela percebe assim que é contado a ela coisas boas que ela (não) fez na terra. Embora essa Eleanor seja totalmente egoísta e queira aproveitar que esse pequeno incidente aconteceu e ficar naquele lugar bom sem culpa alguma, alguns problemas vieram junto e faz com que ela teme ser descoberta, começando a existir a história.

Além da atriz principal, o anjo Michael mostra-se totalmente atrapalhado em conseguir controlar toda aquela vila e com a ajuda de sua assistente robô Janet, o que eu penso como uma Siri avançada, ele está sempre tentando conseguir reverter os problemas que aparecem e com o seu jeito totalmente perdido.

Há também Tahani Al‑Jamil (Jameela Jamil), uma mulher linda com um inglês britânico totalmente louca pela perfeição e sempre tentando agradar a vizinhança, porém sofrendo que a sua alma gêmea, o monge Jianyu (Manny Jacinto), tenha feito o voto de silêncio por toda a eternidade.

E Chidi (William Jackson Harper) que por ser um professor de ética e alma gêmea da Eleanor acaba entrando nessa fria de saber que aquela não é a verdadeira e que precisa ajudá-la.

Uma comédia leve e divertida, criada por Michael Schur, tendo personagens cativantes e totalmente diferentes um dos outros. Além do mistério sobre o que está acontecendo na vila. Será mesmo que tudo acontece de errado porque não era mesmo para a Eleanor estar ali? Será que alguém vai descobrir que ela não é a “boa” Eleanor? Para descobrirmos, apenas assistindo. A sorte é que a primeira temporada está disponível na Netflix, enquanto os episódios da segunda temporada estão sendo lançadas todas as sexta-feiras na plataforma.

A série veio para ser aquele tipo de série que você assiste quando chega cansado em casa e quer relaxar sem ter muito que pensar. Ou quando você “maratonou” sua série preferida do momento e está precisando sair um pouco daquele mundo. É recomendado assistir sem se preocupar em acabar depressa, porque na verdade, você irá terminá-la sem perceber.

Dark Amanda: a melhor pessoa que você vai conhecer.