Recentemente foi divulgado o trailer do filme “Morgan”, um terror envolvendo um humanoide criado artificialmente. Portanto, a Fox procurou a IBM para envolver um verdadeiro “robô” no projeto.

Watson é um dos computadores mais sofisticados do mundo e sua missão era criar um trailer para o longa. No entanto, ele ainda não consegue produzir tudo por conta própria, apenas identificando os melhores momentos do filme para um trailer. Ou seja, um humano deu informações para um computador sobre trailers e filmes e, em retorno, o robô decidiu as melhores cenas possíveis.

Outra tentativa de criação artificial foi o curta-metragem “Sunspring” que concorreu no 48 Hour Film Challenge, no qual vários cineastas recebem as mesmas instruções e devem criar algo em 2 dias. O diferencial do grupo do diretor Oscar Sharp foi seu amigo Ross Goodwin, um pesquisador de “I.As” na NYU. A solução deles foi usar “Benjamin”, o robô de Ross, para criar um roteiro de ficção científica. Ele recebeu diversos roteiros como referência, além de 30 mil músicas pop para criar uma original.

O resultado é hilário, com quase nada fazendo algum sentido, criando muita dificuldade para o elenco interpretar o que Benjamin desejava. Afinal o que seria “Se levantar nas estrelas e sentar no chão”? Direcionamentos como esse são comuns no roteiro de Sunspring.

No fim do projeto, os criadores não sabiam definir qual foi a função do software no projeto. Considerando-o tanto co-autor como ferramenta. Além disso, o que Sharp considerou o mais interessante foi como o roteiro lhe fez perceber os padrões dos filmes Sci-Fi, afinal todas as referências foram criadas por nós humanos.

O tema de inteligência artificial em obras da nossa cultura sempre foi comum e parece que isso não vai mudar, com filmes como “Her” e “Ex-Machina” sempre aparecendo nas telas do cinema. Ou até mesmo nos games com “Detroit: Become Human” ou “Portal”. Apesar de tudo ser obra de ficção, parecemos realmente acreditar que um futuro onde nós e máquinas coexistimos está próximo.

maxresdefault

Viciado em Games, viciado em futebol, viciado em cinema, viciado em séries e viciado em drogas pesadas: leite, glúten e anime.