Filmes de Lego não são novidade, muito antes do Lego Movie, a marca já havia produzido alguns longas e curtas de animação baseados em seus brinquedos. Além dos filmes produzidos por fãs, bem antes de qualquer produção oficial Lego, são os chamados Brickfilms. Essas animações eram todas produzidas por meio da técnica de Stop Motion, fotos em sequência que criam movimento, com a primeira surgindo em 1973 – bem antes da Lego produzir Jack Stone em 2001.

No entanto, mesmo com centenas de filmes stop motion de Lego, a marca preferiu utilizar os métodos mais tradicionais de animação com a ajuda da computação gráfica. Portanto, todos os primeiros filmes acabam parecendo estranhos, já que os personagens eram bonecos que se movimentavam perfeitamente e os cenários não eram feitos de Lego, são os casos de: Bionicle, Star Wars e Indiana Jones.

Foi apenas em 2014, com o Lego Movie, que a marca resolveu se basear mais nos vídeos dos fãs do que suas obras passadas. No entanto, o filme ainda não foi Stop Motion tecnicamente, apenas se baseando nas físicas reais do brinquedo. Portanto, tudo que está na tela é feito de Lego, mesmo que as imagens sejam geradas por computadores. A intenção foi justamente confundir a audiência, homenagear os Brickfilms e fazer com que qualquer frame parecesse algo que qualquer um poderia fazer em sua casa.

A Vox contou um pouco mais sobre a história de algumas das maiores influências para o curta, as homenagens prestadas e os aspectos técnicos da produção do filme.

No fim das contas, foi graças aos fãs que o Lego Movie se tornou muito mais do que um simples filme para vender brinquedos, mesmo que a marca tenha os ignorado por tanto tempo – preferindo optar por um CGI que não faz sentido em seu universo.

Viciado em Games, viciado em futebol, viciado em cinema, viciado em séries e viciado em drogas pesadas: leite, glúten e anime.