Posts do autor:

Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Horário musical gratuito

#Tá rolando por Ian Perlungieri



Músicas irritantes são as mais fáceis de permanecerem na mente. Infelizmente.

Frases como “preço menor ninguém faz” ou “dedicação total a você” já são lidas musicalmente tornando os já ruins comerciais dessas lojas, piores.

Mas há pessoas que gostam. A arte musical está cada vez mais frequente no cotidiano. O funk daquele idiota do ônibus que não sabe o que significa fones de ouvido, a romântica que sua namorada acha bonita enquanto você dorme na metade da música, o reggae que você ouve quando passa naquele beco onde mora aquele amigo estranho que, diariamente, está com os olhos vermelhos. Esta arte está em constante expansão, porém, ao mesmo tempo, regride com a grande quantidade de músicas ruins que ganham cada vez mais apoio da população. E os jingles dos políticos de 2012 são o ápice da regressão:





Há, inclusive, estúdios de gravação responsáveis por esses jingles. Sim, isso fez com que minha fé na humanidade diminuísse mais um pouco.

Entretanto, não sei se o sentimento por esses jingles políticos é o ódio. São músicas ruins? Sim, mas é melhor isso do que discursar promessas utópicas para depois não cumprí-las. Com música, o não cumprimento das promessas torna-se, de certa forma, agradável.

Pois é, a monotonia do horário eleitoral gratuito tornou-se um excitante show de talentos. Um show que, assim como os jingles de Casas Bahia ou Marabraz, foi martelado repetidamente na cabeça das pessoas até tornar-se algo normal, trivial, mecânico. A melhor música, o mais engraçado ou o mais criativo ganha. Simples. Em momentos como esse em que o senso crítico desaparece, as promessas feitas não são devidamente avaliadas e o ódio transforma-se em vergonha.






Vote em @NewronioESPM!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Coisa estranha pra gente esquisita

#Internet por Ian Perlungieri



Enquanto o “Mercado Livre” vende algo e “Bem Legaus!” apresenta algo diferente, Vat 19 une as características dos dois sites, expondo produtos Legaus para serem vendidos no Mercado online.
Um bom exemplo de um produto diferente para compra são os tubarões e peixes voadores, produto que disperta nostalgia nos fãs de Arrigo Barnabé (já mencionado no post sobre mensagem subliminar):





Outro bom exemplo é o portátil aparelho que enche e amarra balões de água. Perfeito para a guerra de balões de água com os primos na casa de praia que fica naquela cidade que você nunca lembra o nome:





O site, cujas propagandas têm sempre os mesmos atores que são tão dignos de oscar quanto atores de peça infantil, traduzem, com bom humor, diversos motivos que tornam o produto um supérfluo necessário.

Saiba sobre os seus preços e sobre outros produtos aqui.



Siga o @NewronioESPM enquanto procura um produto que goste no Vat19!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Como se fosse uma pessoa

#Contos por Ian Perlungieri



- Senta!

O cachorro obedeceu.

- Agora rola!

E o animal, obedecendo a seu dono, começa a rolar na calçada de pedra.

Seu dono, um velho senhor de cabelos grisalhos esboçou um sorriso de satisfação.

- Muito bem! Muito bem! Toma seu biscoito!

O cão lambe o próprio focinho e caminha em direção ao velho, que estava com o biscoito na mão.

Timidamente, lambe a mão de seu dono que, após esse gesto de carinho, larga o biscoito que é devorado pelo animal.

- Que bonitinho! – disse uma mulher que se aproximava.

- Ele é muito inteligente. – falou o velho senhor.

- Ele tem nome? – ela perguntou e começou a acariciar a cabeça do animal.

- Pedro.

- Pedro?

- Sim. – ele respondeu – Por quê? Este nome te incomoda?

- Não! Claro que não! É um nome diferente, apenas.

- Você nunca conheceu ninguém chamado Pedro? – ele perguntou rígido.

- Cachorro, não.

- O Pedro é inteligente demais para ser considerado um cachorro!

E Pedro latia, abanando o rabo positivamente para seu dono enquanto a mulher acreditava ter percebido um olhar de fúria no animal.

A mulher, um pouco aflita com o que o senhor dizia e com a aparente violência no olhar do cão, perguntou:
- Quem ensinou estes truques pra ele?

- Eu.

- Você trabalha com animais?

- Animais?

- Sim, o seu cachorro…

- Ele não é um animal! – interrompeu o velho, um pouco grosseiro.

- Tudo bem. – falou a mulher um pouco ofendida esboçando um falso sorriso – Tenho que ir.

Após ela sair o velho levanta-se do banco da praça e, apoiado em sua bengala, assobia para que seu cachorro o acompanhe.

Logo depois de caminharem um pouco chegam a um edifício. O velho começa a falar com seu cachorro.

- Esses idiotas não sabem do que você é capaz!


Após entrarem no edifício o animal fica em duas patas e, com o focinho, pressiona o botão para chamar o elevador.

Depois de entrarem no elevador o cachorro repete o procedimento e pressiona o botão que indicava o segundo andar.

Após chegar a seu andar e deixar que o cão abrisse a porta do apartamento, o velho encheu uma tigela de vidro com biscoitos.

O cachorro latiu, satisfeito.

O velho tira um pedaço de bife da geladeira e o esquenta no microondas.

Quando a máquina termina seu serviço ele pega seu bife e senta-se em sua mesa.

Corta um pequeno pedaço de seu bife e, antes de colocá-lo em sua boca, ouve um gemido de seu animal. Percebe que o cachorro está ao seu lado, lambendo o próprio focinho e encarando seu dono.

- O que você quer? Já comeu seus biscoitos?

O cão continua a encará-lo.

- Você não vai comer esse bife!

O animal gane baixo, quase como um sussurro.

- O que é que você tem?

Lambe o próprio focinho e continua a observar os olhos do dono.

- Para com isso! – irrita-se o velho – Para…

Sua fala desaparece. Põe a mão em seu peito e sente uma dor aguda e intensa.

- Ajuda! – grita. Olha para o cachorro que continua a encará-lo – Eu te ensinei, lembra? Chama ajuda!

O cão não chamou ajuda. Nem deitou ao lado do dono com qualquer outro cachorro.

O animal vomitou aqueles biscoitos detestáveis no rosto de seu dono que agonizava, ficou em duas patas, comeu o bife e saiu do apartamento enquanto o velho morria.

Cruel, como se fosse uma pessoa.



A humanidade ainda tem chance! Basta seguir o @NewronioESPM!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Dançando sem chuva

#Tá rolando por Ian Perlungieri



Num país em que praia, futebol e carnaval é uma soma, sapateado irlandês é uma integral múltipla.

Riverdance, um espetáculo teatral caracterizado por sua dança característica e música peculiar, está fazendo um tour que passa por São Paulo entre 14 e 19 de agosto na Via Funchal!


Dança radical!




Parece ridículo: várias pessoas com pés rápidos com rostos tão expressivos quanto as dançarinas do Faustão.

Não é. Riverdance promove, de maneira belíssima, uma arte pouco explorada. Um espetáculo que não se apresenta como uma narrativa, mas como um conjunto de histórias. Não há apenas sapateado. A música ao vivo ganha grande destaque quando o violinista e o percurssionista fazem um duo. Abaixo o vídeo da batalha entre dois tipos diferentes de sapateado:





Clique aqui para saber mais sobre o Riverdance.



Seguindo o @NewronioESPM suas chances do elenco do Riverdance dançar na sua casa aumentam!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Mal me quer, mal me quer

#Comportamento por Ian Perlungieri



Museu das Relações Cortadas, Museu do Coração Partido, Museu de Relacionamentos Terminados: várias traduções, mesmo sentimento.

Em Zagreb, capital da Croácia, está o Museum of Broken Relationships, criado por um casal croata cujos nomes são impossíveis de serem ditos por um brasileiro: Olinka Vištica e Dražen Grubišić (sim, um dos nomes é de um homem e o outro é de uma mulher).

Um museu incomum com uma questão comum! O fim do “para sempre”, o incessante cessou, o infinito não durou. Nele há objetos que, aparentemente, não possuem valor. Apenas aparentemente, pois cada objeto possui a história de um relacionamento que não deu certo. Objetos presentes no cotidiano, como um bicho de pelúcia ou um cavalo de vidro, que, com suas histórias, ganham um significado muito mais profundo.

Um machado, por exemplo, não é apenas um machado. Foi doado por um rapaz após sua namorada abandoná-lo por outra garota. Os móveis dela ainda estavam com ele e, com raiva, comprou o machado e quebrou os móveis da mulher que o abandonou. História completa aqui.


Também usado por Jack Nicholson em "O Iluminado"




Outro exemplo é um gnomo de jardim que foi doado por uma mulher que, após o marido pedir a separação, arremessou o gnomo no carro novo dele. História completa aqui.


Não possui nariz. Conclusão: não é o Atchim!




Não que seja o local mais romântico para se ir com a cônjuge, mas o museu não deve ser interpretado apenas como a falta de fé no amor, como também pode representar a superação e a busca por um recomeço.

Conheça o site do museu.

Não há apenas esse museu que chama atenção por ter exposições diferentes. Há um museu dedicado ao ventriloquismo, outro dedicado às privadas e um que tem exposição de bananas.



Nunca magoaremos seu coração se seguir o @NewronioESPM!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Época igual

#Comportamento por Ian Perlungieri



Sabe aquele tédio de dias cada vez mais repetitivos no calendário durante o período de férias?

Isso acontece com muitas pessoas, pois em todas as férias as mesmas coisas são feitas. As pessoas são tão previsíveis que há a possibilidade de uma classificação:

O cumpridor de metas errôneo – logo no começo das férias promete a si mesmo fazer academia, praticar esportes e ler seus emails. Estas metas mudam depois de duas semanas tornando-se o famoso “dormir e comer pipoca sentado no sofá assistindo algum filme ruim na Sessão da Tarde (sem citar nomes)”.


A cena de "A Lagoa Azul" estar logo abaixo de "filme ruim na Sessão da Tarde" é apenas uma coincidência.




O viciado em internet – é aquela pessoa que começa a transformar, mentalmente, a internet em algo tão importante quanto oxigênio. Caso viaje para algum local inóspito do planeta, posta várias fotos desta viagem no Facebook, cujas lindas “estrangeiras” presentes na fotografia são amigas brasileiras com photoshop em excesso no corpo.


Eu e duas gatas no Jardim do Éden.




O nada – aquele que, no fim das férias, diz que não fez nada durante este período.


O Nada.




O preciso ser diferente – normalmente, é o “nada” adulto. São aquelas pessoas que tem vício em fazer coisas diferentes como viajar, ler, ir ao teatro ou fundar saraus de poesia. Isso acontece pois, depois de não terem feito nada nas férias quando crianças, ficarem traumatizadas por tirarem péssimas notas nas redações “minhas férias”.


Motivo de traumas infantis.




Apesar desses serem os principais tipos, há muitos outros tipos de clichês de férias. A nomenclatura apenas não é oficial porque esta minha tese de PGE foi reprovada.

Não que os clichês sejam ruins, mas é o que pode tornar as férias tediosas. É grande a quantidade de pessoas felizes com seu clichê, mas há sempre a opção de fazer algo diferente. Passando as férias com menos tédio, o trabalho pode se tornar mais agradável.



Seguir o @NewronioESPM é algo que tornará a sua vida menos tediosa!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Está entre os jogos, os filmes e as brigas de casais!

#Internet por Ian Perlungieri



Um momento nostálgico predominantemente masculino (meninas que jogam, por favor, me liguem) quando se ouve o nome do jogo de luta mais famoso lançado nos arcades em 1992: Mortal Kombat!

Conhecido por sua violência, o jogo ganhou cada vez mais espaço entre os jogos eletrônicos, sendo até lançado um filme com ótimos (?) efeitos especiais em 1995.

Ano passado, Mortal Kombat ganhou uma série online de nove episódios. A seguir, o primeiro episódio:





Clique aqui para ver os outros episódios (ou pesquise no Google).

A boa notícia para os fãs é que  a série online ganhará uma segunda temporada. A má notícia é para os que não são fãs: a série vai ganhar uma segunda temporada!






Sabe aquela música do Mortal Kombat que cita frases do jogo e o nome dos personagens aleatoriamente? Não? Basta seguir o @NewronioESPM!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Sophia

#Contos por Ian Perlungieri



E a mãe de Sophia a aguardava ansiosamente para o café da manhã como fazia todas as manhãs. Porém, especificamente naquela manhã, Sophia não aparecera. E a mãe, com o passar das horas, preocupava-se cada vez mais.

E o funcionário do restaurante que Sophia frequentava a aguarda para lhe entregar a marmita que ela pedia todos os dias. Estranhou bastante quando a doce voz de Sophia não foi ouvida e ela não entrou no restaurante nem no horário que costumava ir e nem depois.

E a professora de latim de Sophia começava a ficar com raiva dela. Ela não aparecera. “Melhor para mim”, pensava a professora, “ganho mais dinheiro sem dar nenhuma aula”. E a professora permanecia sentada olhando para a porta que não era aberta por Sophia e nem por ninguém.

Enquanto isso, o garoto que brincava de esconde-esconde com Sophia não a encontrava. Ele estava quase desistindo quanto pensou ter visto uma manga de camisa atrás do poste. Entretanto, não era Sophia quem estava lá. Nem lá, nem em nenhum lugar.

O autor sofre um ataque cardíaco e, por causa disso, todos param de pensarem Sophia. Afinal, ela nunca existiu. A mãe de Sophia era sua vizinha louca. Nunca teve filhos. O funcionário do restaurante era o mendigo que limpava pára-brisas de carros. A professora de latim era uma ex-namorada. E o garoto? Bem… O garoto era o próprio autor que se perdeu de sua irmã em uma brincadeira quando eram crianças. O autor jamais encontrou Vivian, porém outro o fizera.

A esposa do autor o leva para o hospital e ele permanece vivo. Vivian havia morrido. Sophia não.



Quem é legal e bonito segue o @NewronioESPM. Quem não é, não.


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


As férias dos cinéfilos

#Cinema por Ian Perlungieri



Como apenas alguns leitores do Newronio estão aproveitando as férias em algum lugar paradisíaco, por que não falar sobre os filmes que terão suas estreias nas férias? Nada mais justo do que dizer para os leitores que não estão em nenhum lugar paradisíaco o que irá passar no cinema!

Três filmes foram escolhidos a dedo, pois estes filmes têm uma extrema relação com os dias de julho:


To Rome With Love





Um filme que fala sobre quatro histórias distintas que acontecem em Roma: duas com personagens dos EUA e duas com personagens italianos. Dirigido por Woody Allen, é uma comédia agradável que pode provocar a vontade de passar as férias em Roma.

Saiba mais sobre o filme clicando aqui.


Brave





Nova animação da Pixar dirigida por Brenda Chapman que se passa na Escócia. A história de uma arqueira, filha da nobreza, que, confrontando os desejos da mãe, toma uma atitude impensada, que coloca em perigo o reino e a vida de sua família. Uma animação que torna a mítica Escócia um lugar em que se queira passar as férias.

Saiba mais sobre o filme clicando aqui.


The Dark Knight Rises





O novo filme do Batman, dirigido por Christopher Nolan, em que o herói encontra Bane e a Mulher-Gato. Pois se Christopher Nolan estivesse de férias em Roma ou na Escócia, não haveria filme para assistir.

Saiba mais sobre o filme clicando aqui.



Aproveite as férias para seguir o @NewronioESPM!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Nike: “It Counts”?

#Publicidade por Ian Perlungieri



Assim como o Artigo 28 da seção 6 do Conar que diz: ” O anúncio deve ser claramente distinguido como tal, seja qual for a sua forma ou meio de veiculação.”, o ASA (Advertising Standards Authority), órgão regulador de publicidade na Grã-Bretanha, diz: “personalidades que fizerem publicidade por meio de seus perfis no Twitter devem deixar claro que não se trata de um comentário ou de uma opinião pessoal, e sim de publicidade.”.

Portanto, nada mais justo que os tuítes de Jack Wilshere e Wayne Rooney terem sido suspensos, já que tais jogadores, patrocinados pela Nike, tuitaram anúncios da marca relacionados à campanha “Make It Count” sem deixar claro de que era publicidade.


Rooney e Wilshere da esqueda para a direita.




Mais informações sobre essa notícia, clique aqui.



Siga @NewronioESPM! (Isso é publicidade!)


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


O que acontece quando você entra no Newronio…

#Contos por Equipe Newronio

Era um mundo distante, planeta diferente, outra dimensão.

Lugar que ninguém conhecia cercado por deuterostômios e alguns protostômios.

Até que, certo dia, um ser irracionalmente racional deixou seus compatriotas racionalmente irracionais para lutar por um espaço maior na sociedade.

Ganhou espaço conseguindo a função de escrever para seres de outras dimensões por meio de um portal conhecido em todos os mundos.

Afinal, cada ser possui seu mundo, seu planeta, sua dimensão.

Um trabalho complicado.

Conheceu diferentes seres que tinham a mesma função que a sua:

Um sorridente louva-deus culto que lia diversos livros ao mesmo tempo e andava com uma sacola de feira, uma paráfrase humana do Visconde de Sabugosa.

Havia um pônei feliz que gostava de criar um arco-íris próprio usando imagens conhecidas do portal. Suas sábias frases traziam ao grupo grande poder humorístico e reflexivo.

Uma aliança que, com seus longos cabelos, trazia consigo a felicidade, a união e um charme próprio característico das poucas alianças que ainda existem.

Por fim, o cachorro que nunca latia. Entretanto, não era mudo. Sábias frases irônicas saiam de uma boca acostumada a fumar tabaco orgânico.

Newronio.

Mas conseguiram. Por um período de tempo responsabilizaram-se seriamente por um árduo compromisso e conseguiram. Comunicaram-se, com sucesso, com todas as dimensões.

A recompensa? Experiência. Finalmente cada um saiu da própria dimensão.

E, junto com as sinapses da imaginação, um grupo foi formado. Nasceram novos neurônios. Um Newronio.

Newronio mandando "oi" para você.

Siga o Newronio. Siga @NewronioESPM!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.


Hoje é dia de ficar solteiro, bebê

#Publicidade por Ian Perlungieri



Dia dos namorados!

Dia em que o cinema está lotado, os restaurantes estão cheios e, no shopping, muitos casais trocam elogios “neologísticos”.


Há um coelho voador no canto superior direito.




E em outro local, não muito distante dos casais, estão os solteiros. Grupo de pessoas divididos em “sem sorte”, “festeiros”, “antissociais” e “aqueles que ainda amam a última pessoa com quem ficaram”.

O Guaraná Antarctica promoveu um aplicativo chamado “Ex Lover Blocker”, cujo público-alvo são “aqueles que ainda amam a última pessoa com quem ficaram”, grupo particular pertencente aos solteiros:


O fato do coração estar fumando causa um problema no pulmão?




Basta baixar o aplicativo do Guaraná Antarctica para que haja um incentivo para não ligar para a(o) ex.

Após baixá-lo, deve-se bloquear o número da(o) ex e escolher os amigos que te protegeriam. Os amigos receberão um alerta e ligarão incentivando a não ligar para aquela pessoa que já deveria ter sido esquecida. Se, mesmo assim, tentar ligar para a(o) ex…  bom, melhor ver o vídeo promocional:







Cada vez que alguém segue o @NewronioESPM, alguém ganha alguma coisa! O próximo pode ser você!


Meu nome não é Alex DeLarge, nem Tyler Durden, nem Mort Rainey. Nunca me chamaram de John Keating. Não sou Ed Bloom, nem Joel Barish. Scott Pilgrim, Carl Allen, Bruce Wayne, Rainer Wenger. Nenhum destes é meu nome. Sou apenas uma peça de um tabuleiro.